quinta-feira, 3 de março de 2011

Tutorial sobre a migração dos laptops do Programa UCA para o Ubuntu - Parte 1

Os laptops do projeto UCA trazem, de fábrica, o sistema operacional desenvolvido pela Metasys, o Metasys Classmate, que possui alguns aplicativos focados para ambientes de aprendizado. É uma distribuição GNU/Linux baseada no Fedora (outra distribuição Gnu/Linux que tem o apoio da Red Hat).

Aqui na E.E.B Theodoro Becker, onde recebemos os laptops do projeto UCA, o Metasys não recebeu uma boa avaliação dos professores, e gestores da escola. Presenciamos um número muito elevado de ocorrências que prejudicavam o andamento das aulas, como travamentos, lentidão, softwares que não atendiam às necessidades pedagógicas etc...

Outro fator que percebemos ser dificultador para os alunos, era o fato de o Metasys Classmate trazer como interface gráfica, o KDE (K Desktop Environment). O KDE é uma excelente interface gráfica para Gnu/Linux, porém o seu foco é voltado para desktops, e para computadores com uma capacidade de processamento maior do que os laptops do UCA podem oferecer. Além disso, seu design é extremamente refinado, com contornos, botões e menus exageradamente detalhistas e por vezes, com um visual muito poluído. Leva-se em consideração que muitas crianças, principalmente as que ainda estão na educação infantil, em uma faixa de 3 anos de idade, ainda não tem coordenação motora suficiente para navegar (através de um touchpad) em uma interface tão detalhista como o KDE.

Partindo do fato dessas experiências ruins, aliado à grande empatia que temos por Software Livre, tomamos, em conjunto, a decisão de fazer alguns testes com o Ubuntu (distribuição Gnu/Linux, baseada em outra distribuição que serve de base para muitas outras distribuições, o Debian), mais especificamente com o Ubuntu Netbook Remix, que é a versão do Ubuntu com foco em netbooks e laptops. Eis abaixo alguns dos motivos pelos quais preferimos migrar para o Ubuntu:

  • O Ubuntu é a distro Gnu/Linux mais usada no mundo. É responsável por uma gigantesca revolução no mundo do software livre. Foi a distro que fez com que o Gnu/Linux se popularizasse entre pessoas que não tem nenhum conhecimento avançado sobre informática, pelo fato de seu uso ser relativamente simples e intuitivo.

  • Sua interface padrão para desktops é o GNOME (GNU Network Object Model Environment). O GNOME é uma interface gráfica mais simples de usar que o KDE, seu visual é mais limpo e mais intuitivo. Além disso, o Ubuntu Netbook Remix, traz uma versão do GNOME adaptada às telas pequenas, como o caso dos laptops UCA.

  • Sua comunidade é de longe, a maior do mundo, quando falamos de distros Gnu/Linux. Isso é um diferencial, pois faz com que haja uma contribuição muito maior para com o seu desenvolvimento, pois devemos levar em conta, que quem desenvolve uma distro Linux não é uma única empresa, e sim seus milhões de usuários espalhados pelo mundo. Uma distro Linux não é feita apenas pelo que podemos ver em um computador.

  • Existem muitos mais programas para o Ubuntu do que para qualquer outra distribuição Linux.

  • O Ubuntu é suportado por uma das maiores empresas de Software Livre do mundo, a Canonical. Isso é algo que nos traz ainda mais segurança e a certeza de que o Ubuntu é uma distro que veio pra ficar e que durará muitos anos. Muitas distribuições de menor porte, nascem e morrem como um suspiro, deixando muitas vezes, usuários fiéis à deriva. O que não é e não será o caso do Ubuntu.

  • Além disso, existe ainda uma questão ideológica muito forte, que nos induziu a escolher o Ubuntu. Aqui em Brusque, nós temos uma longa história com o Software Livre e com o Ubuntu. Nós valorizamos a independência tecnológica. E com a experiência que viemos tendo com o Ubuntu ao longo dos anos, não haveria motivos para não o escolhermos.

  • Na verdade, temos muitos outros motivos bastante fortes que fundamentam nossa decisão, porém esse não é o objetivo deste artigo. Mas estamos abertos à discussões e trocas de ideias sobre esse assunto

A decisão de migrar ou não, dependerá da filosofia de cada escola. Nós sabemos o que é melhor para a nossa cidade, para a nossa escola e para as nossas crianças, os nossos alunos. Mas caso, a sua escola decida por fazer a migração, ficaremos muito felizes em ter mais um aliado nessa empreitada em prol do software livre.

Preparativos para a migração

Primeiramente, precisamos esclarecer o porque de usarmos o Ubuntu Netbook Remix em sua versão 9.10, e não versões mais novas como a 10.04 ou 10.10:

1º O Netbuntu 10.10, foi logo descartado, pelo fato de a sua interface ter mudado radicalmente em relação às versões anteriores. Ela já não trás o UNR, aquele “plasma” no desktop, que disponibiliza ao usuário uma acesso rápido aos aplicativos do sistema. Além disso, notamos que ela possui um “peso” notavelmente maior que as versões anteriores.


Veja que a versão 9.10 disponibiliza um acesso rápido aos aplicativos

Já a versão 10.10 não traz o UNR. Possui apenas uma barra de ferramentas do lado esquerdo, e que não pode ser encoberta por nenhum aplicativo, consumindo um espaço precioso nas pequenas telas dos Classmates

2º O Ubuntu netbook Remix 10.04 seria a melhor opção para nós, justamente por ser LTS, ou seja, ele oferece um suporte duas vezes maior que as suas versões normais. Mas a sua instalação apresentou alguns problemas, e o principal deles, era que ela não funcionava direito em qualquer tipo de pendrive. Fizemos testes em vários pendrives (algo em torno de uns 5 ou 6), e o único que funcionou foi um pendrive da HP. Em pendrives da Kingston (que são os mais populares), a instalação não dava certo. Na verdade, a instalação ocorria normalmente, mas depois de instalado, o sistema não “subia”. Talvez esse seja um problema possível de se resolver, mas como a migração ocorre em larga escala, seria muito inconveniente “consertar” toda instalação recém-terminada em 400 laptops.

3º Depois dessas experiências, resolvemos testar o Ubuntu Netbook Remix 9.10, e para nossa surpresa, tudo funcionou normalmente. A instalação ocorria sem nenhum problema em pendrives Kingston (que era a marca de pendrives, que mais tínhamos). O Ubuntu Netbook Remix 9.10 possui o UNR e sua performance é sensivelmente maior que as suas versões mais recentes.

Portanto, se quiser seguir este tutorial, recomendamos fortemente o uso da versão 9.10 do Ubuntu Netbook Remix. Você pode obtê-la no seguinte link:

Se preferir, pode baixá-la através do sistema de compartilhamento torrent:

Para baixar através de uma rede de compartilhamento torrent, você precisa baixar o arquivo acima e abri-lo com um programa que gerencia o download de arquivos em torrent. Eu recomendo o Trasmission.


Preparando os pendrives para torná-los bootáveis

Após concluir o download da imagem ISO do Ubuntu Netbook Remix. É hora de preparar o pendrive que irá recebê-la e se tornar bootável. Neste procedimento nós utilizamos um programa chamado USB Creator, que já vem instalado no Ubuntu. Mas é possível fazer o mesmo com um outro programa chamado Unetbootin, a vantajem deste último é que ele também pode ser instalado no Windows, ou seja, você pode usar um computador com Windows para preparar o pendrive com o Ubuntu. Veja um tutorial bastante simples sobre o Unetbootin neste link:

http://www.baixaki.com.br/tecnologia/1884-transforme-seu-pen-drive-em-um-sistema-operacional-totalmente-funcional-e-movel-.htm

Você pode baixá-lo neste link:

http://www.baixaki.com.br/download/unetbootin.htm


Já se preferir usar o mesmo procedimento que nós seguimos para transformar o pendrive em uma mídia bootável, ou seja, usando o programa USB Creator, siga este tutorial:

1º Insira um pendrive (de preferência da marca Kingston, e não se esqueça que todos os dados que estiverem armazenados no pendrive serão apagados) na entrada USB do seu computador. Vá em >>Sistema>>Administração>> Criador de discos de inicialização.



2º Na janela que abrir, clique no botão “Outro”.


3º Abrirá outra janela, onde você deverá procurar, a imagem ISO do Ubuntu. Clique sobre ela, e logo em seguida em “Abrir”.

4º Caso, o botão para “Criar um disco inicializável” não esteja disponível ainda, significa que você deve primeiro apagar o disco, através do botão “Apagar disco”. Outra coisa importante, é que na sessão “Disco a ser usado”, sempre aparecerá duas opções para um único pendrive, e é a segunda opção da lista (como mostrado na figura abaixo) que você deve escolher.


5º Em seguida, basta clicar no botão “Criar um disco inicializável”. O processo deve levar no algo em torno de uns 5 minutos.

Iniciando a instalação do Ubuntu

1º Depois do pendrive pronto para o arranque. Espete-o na entrada USB do Classmate, e ligue o laptop.

2º Aperte F11 para que apareça a tela onde pode-se escolher por onde o laptop irá arrancar. Escolha o pendrive e aperte Enter. Geralmente você poderá identificar o pendrive, pelo fato de ele ser identificado pela sua marca.

A instalação do Ubuntu Netbook Remix é a mesma do Ubuntu para desktops. Não cheguei a escrever nenhum tutorial específico que descrevesse esse processo. Estou me atentando mais à segunda parte deste artigo que trata de algumas configurações para a pós-instalação do Ubuntu.

Mas caso eu encontre um bom tutorial na internet eu posto o link aqui pra vocês. Ou se realmente for necessário, eu mesmo posso fazer um tutorial com ilustrações sobre o processo de instalação do Ubuntu Netbook Remix 9.10.

Encerro por aqui, essa parte sobre a migração dos Laptop Classmates para o Ubuntu. Até a próxima parte.

Abraço

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Adorei o artigo. Assim que concluir o download do Ubuntu, instalarei no meu laptop. O MetaSys já me deu bastante dor de cabeça. Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Estaav procurando a varias horas um tutorial e achei esse, merece nota 10, mt bom

    ResponderExcluir